Cisternas: uma alternativa eficiente para a crise hídrica

Mini Cisterna

 

A cisterna é uma tecnologia usada há décadas no sertão nordestino, e em tempos de crise hídrica, qualquer alternativa que proporcione redução no consumo de água será sempre bem-vinda.  onde a estiagem dura vários meses do ano, as cisternas, que captam a água das chuvas, estão se revelando uma boa opção de economia também para os estados do sudeste.

Agora, imagine se você pudesse montar sua própria minicisterna em casa sem gastar muito. É exatamente esta a proposta do movimento Cisterna Já , um grupo de cidadãos independentes preocupados com a preservação dos recursos hídricos que criou uma página na web para divulgar à população como captar e reaproveitar a água das chuvas.

No site do movimento é possível encontrar muitas informações, além de instruções para a montagem de um modelo compacto, simples e prático que é conectado às calhas, permitindo assim que a chuva que escorre do telhado não seja desperdiçada e possa ser acumulada para uso doméstico. Segundo o movimento, a água coletada pela minicisterna pode suprir até 50% do consumo de uma residência, o que é muito se considerarmos seu tamanho.

Vale lembrar que a água das chuvas não é potável, pois ela pode conter poluentes e bactérias nocivas à saúde. Porém, ela pode ser utilizada para outras tarefas, como regar plantas, dar descargas no vaso sanitário, limpar o chão e lavar o carro.

Além de ser perfeita para uso urbano, a minicisterna também é fácil de fazer. Veja as instruções detalhadas neste site e assista também a este vídeo, no qual o criador do sistema explica o passo a passo da montagem.

E você, vai montar a sua em casa?

Artigo escrito por Ricardo Millani

Referências: CicloVivo e Instituto Akatu

compartilhe

Carros cheios de tecnologia oferecem mais segurança ao motorista

siemens_veiculosMesmo com todo o apelo sustentável, o transporte com carros e motos ainda prevalece. A impressão que dá, em uma cidade como São Paulo, por exemplo, é que todos estão atrasados o tempo todo e, se bobear, vão passar por cima de você. Em compensação, o apoio da tecnologia tem colaborado para a construção de veículos mais seguros.

Os modelos de luxo saíram na frente, ganhando inovações mais cedo, enquanto os mais populares vêm apresentando novidades aos poucos. Tudo fruto da competitividade. No Brasil, os veículos fabricados a partir de 2014 contam, obrigatoriamente, com airbags e freios ABS de série. E já é possível encontrar, por exemplo, o Sistema City Safety, que permite frenagem automática em caso de risco; o ESP (Sistema Eletrônico de Estabilidade), que detecta problemas no controle do volante; o airbag para pedestres, com sensores instalados no para-choque dianteiro para proteger pedestres de atropelamentos; e o alerta de mudança de faixa, que auxilia e alerta o motorista distraído ou com sono.

No ano passado, o Brasil recebeu o lançamento de um veículo popular, com o sistema SYNC, que faz uma ligação automática para o serviço de emergência 192, do Samu, em caso de acidente, informando a localização e ajudando o resgate.

Que inovação você gostaria de ter no seu automóvel? Alguma ideia diferente das que têm aí? Compartilhe!

Com informações do site Ciências e Tecnologia

As informações da Ford são da assessoria de imprensa.

compartilhe

Conheça 5 inovações sustentáveis da engenharia

siemens_sustentabilidade

Inovação é a palavra da vez e está diretamente ligada à sustentabilidade. O caminho até ela envolve a otimização dos recursos em todas as áreas possíveis para garantir lucratividade e, nessa empreitada, pode-se dizer que a engenharia consegue bons resultados. Não é à toa que já existem cursos relacionando engenharia e inovação, dedicados a estimular a busca criativa por soluções.

 

1. Aqui no Brasil já é utilizada uma técnica que usa formas de alumínio ou aço para “montar” um apartamento ou casa, incluindo a fiação e o sistema hidráulico. Dependendo do tamanho do imóvel, o processo de montagem demora poucas horas e a concretagem pode ser feita no mesmo dia. Após 72 horas, as formas são removidas e o imóvel está pronto;

2 . Outro exemplo é o edifício Al Hamra Firdous Tower, que fica no Oriente Médio, e tem 450 metros de altura. As suas paredes são de vidro e pedra, o que reduz o calor e, consequentemente, o uso de ar-condicionado;

3 . Sabia que existe uma torneira eletrônica para banheiro capaz de gerar a própria energia? Feita em latão cromado, é dotada de microturbina, que gera a energia limpa necessária, mesmo para uso em baixa pressão;

4 . A grelha ecológica (para escoamento de água em caixas sifonadas e ralos) é o primeiro produto feito de Polietileno Verde na América Latina. Ela é feita a partir da cana de açúcar e super durável, além de sequestrar CO2 do ambiente;

5. Com uma impressora 3D de 6 metros de altura, uma empresa chinesa produziu 10 casas de 200 m² em apenas 24 horas. Usando cimento e fibra de vidro, o resultado custa 50% menos do que a construção tradicional.

Qual você gosta mais? Conhece alguma inovação interessante que não está nessa lista?

Com informações do Tec Mundo, Techne, Cbic e A Crítica de Manaus 

 

 

compartilhe

Descubra quais os maiores desafios para a Indústria 4.0 no Brasil

industria 4.0

No primeiro post da série sobre a indústria digital (leia aqui) deu para ter uma ideia de como funciona a Indústria 4.0. Mas, será que são inovações facilmente aplicáveis no Brasil? Para André Felipe, diretor de marketing da Siemens PLM Software para a América Latina, a indústria brasileira não acompanhou a evolução do setor e agora precisa correr atrás do prejuízo.

Países como Alemanha e Estados Unidos estão bem à frente devido aos incentivos governamentais.  No Brasil, por exemplo, a fase inicial da indústria digital já pode ser vista nos segmentos automobilístico, aeroespacial e de petróleo/gás. “O controle da indústria farmacêutica no Brasil também é feito de forma digital”, conta.

Mas, por aqui, há muitos desafios pela frente. André reforça que o país precisa de incentivos e o momento econômico não é favorável.  Mas, não é só isso. “Para implantar a indústria digital é preciso que as áreas conversem, como a de tecnologia e a de engenharia. Isso, normalmente, não acontece”, explica. Outra questão é que as áreas têm um único orçamento e precisam se adequar a ele, deixando, frequentemente, a inovação para segundo plano.

Mas, será que é possível implantar uma indústria 100% digital no Brasil? Ele responde: “É uma questão de sobrevivência. É preciso evoluir, o consumidor está mais exigente, e acho que isso acontece no médio prazo. Tem que haver uma conversa com o poder público. As oportunidades precisam ser analisadas caso a caso, mas é inevitável que isso aconteça por aqui”, enfatiza.

Veja o vídeo:

 

E você, acredita nesta ideia? Compartilhe sua opinião com a gente.

Artigo escrito por Erica Brasil

compartilhe

O cérebro virtual de clínicas e hospitais

Sistemas de informação para hospitaisTodos os dias, clínicas e hospitais no mundo todo recebem milhares de pessoas em busca de tratamento médico. Para atender bem seus pacientes, é fundamental que tudo nestes locais esteja funcionando perfeitamente.

No passado, hospitais e clínicas organizavam manualmente informações financeiras, administrativas e prontuários médicos em pilhas intermináveis de papel, o que consumia muito tempo e nem sempre proporcionava um bom atendimento aos que mais precisavam.

Graças à tecnologia, isso mudou. Os papéis estão sendo trocados pelo Sistema de Informações Hospitalares (SIH), softwares que permitem organizar e visualizar em tempo real todas as informações necessárias para que tudo funcione como um relógio.

Os SIH existem desde os anos 1960 e evoluíram com o tempo e com a própria tecnologia. Hoje, os SIH integram informações relacionadas aos laboratórios, enfermaria, farmácia, radiologia, administração e departamento financeiro em um mesmo programa. Alguns sistemas são tão complexos que permitem visualizar o histórico de doenças, a melhor medicação e até mesmo a dieta mais adequada para cada paciente. Tudo em um clique.

Para os pacientes, o SIH representa mais rapidez, eficiência no atendimento e menor risco de erros médicos. Para os hospitais e clínicas, os benefícios são muitos. Entre eles, menos custos com estruturas defasadas e maior organização administrativa.

A tendência é que, em um futuro bem próximo, estes sistemas sejam a regra em qualquer instalação médica, até mesmo nos países menos desenvolvidos. Assim, todo paciente poderá receber um atendimento de qualidade e um tratamento que melhor atenda às suas necessidades sem burocracia e com muito mais dignidade.

Artigo escrito por Ricardo Millani

Fonte: EMRConsultant

 

compartilhe

5 invenções que parecem coisa de filme, mas já existem

1Já pensou em carregar o seu celular usando a eletricidade, mas sem ligar o fio na tomada? Tecnologias de ponta já estão dando conta do recado. Parece filme futurista, mas não é.

 

Confira 5 invenções bizarras que, dentro de alguns (poucos!) anos, podem não ser mais tão bizarras assim:

 

1 . Lembra dos Jetsons? Eles tinham um robô capaz de executar tarefas domésticas em casa. Um estudo do Instituto Tecnológico da Georgia aposta que, em 10 anos, teremos um também. O desafio dos cientistas é fazer com que eles respondam aos comandos humanos e possam ajudar nas tarefas de casa;

2 . Defensores da causa ambiental, porém, carnívoros, não precisam mais ter crise de consciência. Existe uma carne artificial, criada por cientistas holandeses com a ideia de proteger o meio ambiente, e ela é feita com células-tronco de vacas e porcos;

3 . Ah, o poder de ler a mente! Já tem uma tecnologia prometendo que, em breve, o cérebro poderá ser lido por dispositivos eletrônicos, como smartphones. Por sinapses elétricas, você apagará a luz depois de estar deitado na cama!

4 . Uma bike diferente foi pensada na Universidade de Saarland, Alemanha. A proposta é instalar um sensor sem fio para ativar o freio assim que a borracha do guidão for apertada. E ainda dá para aplicar a tecnologia a outros sistemas de transporte;

5. Sonho de consumo de quem não tem uma tomada do lado da cama: a eletricidade sem fio que usa um dispositivo que carrega aparelhos à distância. Para viabilizar essa ideia, estão sendo realizados estudos que usam a indução magnética.

Qual você escolheria para testar já?

Artigo escrito por: Leticia Ghedin

Com informações da Revista Galileu

compartilhe

Lixo que vira energia

05/04/2015

TAGS :

potencial energetico do lixoVocê sabia que a maior cidade do País tem uma usina que gera energia a partir da decomposição do lixo? É a usina termelétrica Biogás, uma das primeiras usinas de biogás do Brasil e que está instalada no Aterro São João, na Zona Leste de São Paulo.

A usina produz energia a partir da queima do gás metano, gerado pela decomposição das 28 milhões de toneladas de resíduos aterrados de 1992 a 2007, ano em que a usina foi construída e o aterro deixou de funcionar.

A operação no Aterro São João é composta por duas plantas distintas, mas totalmente interligadas: a usina de captação de gás e a usina de energia. A primeira é composta por um sistema de drenos verticais e dutos subterrâneos que coletam o metano e o levam até a usina de gás, que o suga dos poços. Ao todo, há 40 km de tubulações, que conectam em rede cerca de 170 drenos.

O metano é escoado até a usina de energia, onde é resfriado, purificado e tem sua umidade retirada. Sopradores o direcionam até os 16 motores, onde o gás é injetado para a geração de energia por processo mecânico. Cada motor tem 1,54 MW de capacidade e ajuda a movimentar o gerador de energia, que chega a gerar 200.000 MWh por ano, o suficiente para abastecer 400.000 pessoas.

O volume de gases poluentes não emitidos para a atmosfera reverte-se em créditos de carbono. Metade do valor fica com a prefeitura de São Paulo, que promove leilões para comercializá-los e aplica a receita na implementação de projetos que proporcionam benefícios ambientais no entorno do aterro.

Usinas que geram energia a partir do biogás são cada vez mais comuns no Brasil, mas apenas alguns dos cerca de 1.700 aterros sanitários do País contam com uma instalação deste tipo. Para você, o que falta para as usinas de biogás se popularizarem? Deixe sua opinião nos comentários.

Artigo escrito por Ricardo Millani

Fontes: Infraestrutura Urbana, Folha de S. Paulo e Revista ComArte.

compartilhe

Você sabe o que é uma indústria digital?

jpgEstamos cada vez mais mergulhados no universo digital. E a indústria, claro, não podia ficar de fora. Quer entender como funciona uma indústria digital? Essa ideia é bem consolidada em países como Alemanha e Estados Unidos e está chegando por aqui.

De acordo com André Felipe, diretor de Marketing da Siemens PLM Software para a América Latina, “uma indústria digital é aquela que é capaz de conectar a empresa com seus fornecedores, por exemplo. É estabelecer um canal de comunicação entre chão de fábrica, o desenvolvimento de produto…”.

A industria digital é aquela em que tudo está conectado de forma inteligente para otimizar o trabalho e melhorar a qualidade do produto. “A ideia do que chamamos de Indústria do Futuro é coletar informações sobre o processo produtivo e colocar numa única plataforma de gerenciamento. Todos os personagens envolvidos, então, têm acesso às informações que precisam na hora certa, cada um na sua área”, reforça.

A tecnologia permite simular as etapas e desenvolver tudo virtualmente para, depois, passar para o mundo real. “A proposta é deixar a produção o mais autônoma possível e possibilitar a customização em massa”, conta.

Segundo André, o produto da indústria digital é inteligente, capaz de tomar decisões. “Ele carrega suas próprias informações e sabe os seus caminhos dentro da fábrica, todas as máquinas ‘conversam’. Se algo muda no início do processo, por exemplo, o nível de comunicação é tão alto, que imediatamente todo o processo já compreende o que é para ser feito”.

Os homens dão lugar às máquinas? Nada disso! A indústria digital precisa do trabalhador, sim. Porém, esse é um profissional mais qualificado na área de inteligência. “A mão de obra humana é outra, mais sofisticada, mas não é dispensada”, esclarece.

Para ele, este é o caminho natural e cada vez mais necessário para se ter competitividade. A indústria digital ainda é tímida no Brasil, mas existe. “A customização em massa faz com que os produtos tenham características próprias e ‘zero defeito’”. E aí, o que você acha desta ideia?

 

Artigo escrito por Erica Brasil

compartilhe

Menos perdas, menos custos, mais energia. Conheça o HVDC

Desde que os estudos com a eletricidade se intensificaram no século XIX, diversas tecnologias foram cruciais para democratizar o uso da energia elétrica, como a lâmpada, os transformadores e o gerador elétrico. Mas você já parou para pensar na tecnologia que torna possível a distribuição de energia das usinas até as casas?

As linhas de transmissão tradicionais utilizam corrente alternada, que, por sofrerem muitas perdas de energia no meio do caminho, não possuem tanta eficiência. Já as linhas de transmissão com a tecnologia de Corrente Contínua de Alta-Tensão, ou HVDC na sigla em inglês, são alternativas eficientes que utilizam corrente contínua para transmitir grandes quantidades de energia elétrica em alta-tensão por distâncias superiores a 2.000 km, com mais eficiência e menos perdas de energia em comparação com uma linha de transmissão tradicional.

O HVDC possui ainda outros benefícios. Com este sistema, menos linhas de transmissão são necessárias, pois, com menos perdas, mais energia é transmitida pelo mesmo cabo. Assim, o impacto da instalação das linhas é minimizado, pois menos torres são construídas e mais espaço pode ser aproveitado.

Além da economia de recursos que a tecnologia proporciona, o HVDC pode ser utilizado para conectar redes diferentes de corrente alternada, controlando rápida e precisamente os níveis de energia e aumentando a eficiência de cada uma.

HVDC

 

Artigo escrito por Ricardo Millani

Fontes: Mundo Estranho e Siemens

compartilhe

Cinco lugares prestes a sumir do mapa

shutterstock_119526742Todos nós já estamos cansados de saber que as ações do homem, inclusive o aquecimento global, estão ajudando a degradar os ecossistemas do planeta com muita rapidez. Porém, alguns deles estão mais perto de sumirem do mapa do que imaginamos – e se não fizermos logo nossa parte para preservá-los, perderemos para sempre estes lugares com belezas encantadoras e riquíssimos em biodiversidade.

Conheça agora cinco paraísos naturais do planeta que estão mais ameaçados pelos efeitos da atividade humana e das mudanças climáticas:

5) Madagascar

Esta ilha na costa leste da África é o lar de 21 milhões de pessoas. É também a casa de diversas espécies da fauna e flora que não são encontradas em nenhum outro lugar do planeta. Por conta da criação de gado, extração de madeira e agricultura de corte e queimada, só restam agora 17% da vegetação original da ilha.

4) Bornéu

Bornéu, a maior ilha da Ásia, é o lar de florestas exuberantes, biodiversidade riquíssima e espécies extremamente ameaçadas de extinção. Só entre 1997 e 2000, a ilha perdeu mais de 1,21 milhões de hectares de floresta por ano. Extração ilegal de madeira, tráfico de animais, incêndios florestais e o desenvolvimento de plantações de óleo de palma são os principais culpados.

3) Andes tropicais

Esta cadeia de montanhas que vai da Bolívia ao Chile é a casa de um sexto de toda a vida vegetal na Terra, em apenas 1% do território do planeta. A construção de estradas, gasodutos, hidrelétricas e o desmatamento causado pela agricultura são os maiores responsáveis pela destruição da grande biodiversidade encontrada na região.

2) Antártida

A Antártida é rica em vida marinha, dentro e fora dos oceanos. Mas a dupla aquecimento global e pesca ameaça a biodiversidade. Se a temperatura global continuar subindo, a camada de gelo marinho diminuirá e muitas espécies vão perder seu habitat. Se a pesca de algumas espécies continuar, como, por exemplo, a do krill antártico (espécie de crustáceo marinho), a cadeia alimentar do ecossistema será prejudicada.

1) Ártico

O Ártico é o ecossistema que mais sofre com o aquecimento global. O derretimento do gelo pode causar a extinção de diversas espécies, que também estão perdendo áreas de alimento graças às

mudanças no local. Além disso, o aumento do nível do mar causado pelo derretimento do gelo pode destruir quase metade das áreas para os ninhos de algumas aves migratórias.

Você está fazendo sua parte para preservar os recursos naturais e os ecossistemas do nosso planeta? Compartilhe suas ações com a gente!

Artigo escrito por Ricardo Millani

Fonte: EcoViagem

 

 

compartilhe

Vídeos

Siemens nas redes sociais