Ver todos os artigos do blog

A sustentabilidade entra em campo na Copa do Mundo de 2014

O futuro Estádio Nacional de Brasília (ex-Mané Garrincha), projeto de Castro Mello Arquitetos Associados, estrutura da Etalp (Arthur Luiz Pitta) e consultoria para cobertura dos alemães do GMP e SBP

A preocupação com o meio ambiente é uma questão prática presente em todos os setores da vida de cada um de nós. Até o esporte é diretamente afetado. Por exemplo, a construção de arenas e estádios não depende apenas de dinheiro, mas também de recursos que, do ponto de vista da sustentabilidade, podem ser administrados de maneira correta. É isso o que está em jogo neste momento em que os Estados e o governo federal se mobilizam em grandes obras para realizar a Copa do Mundo e as Olimpíadas.

O Estádio Nacional de Brasília é um dos chamados equipamentos esportivos do Mundial de 2014 que estão em fase de construção bastante avançada: segundo estimativas da organização local e da Fifa, cerca de 34% das obras estão concluídas. A grande novidade apresentada pelo comitê que cuida da realização da Copa do Mundo no Distrito Federal (DF) é a preocupação ambiental: o estádio será uma ecoarena.

Com 71 mil lugares e previsto para estar concluído a tempo de receber a Copa das Confederações, em 2013, o local será referência internacional em planejamento sustentável, reciclagem de lixo, biodiversidade, inclusão social, baixo impacto ambiental e emissão zero de carbono. Já agora, ainda com a construção em andamento, a ecoarena preenche 87 dos cem requisitos exigidos para receber o selo Leed Platinum, a gradação mais prestigiada na área de sustentabilidade. Será o primeiro estádio no mundo a ganhar esse título.

A ideia de Brasília é apostar no projeto de uma “Copa Verde”. Para isso, cada detalhe da arena foi pensado; a arquitetura adotada prevê iluminação e ventilação naturais. A água será reaproveitada, e os materiais de construção usados têm possibilidade de ser recicláveis ou já são reciclados. Inclusive, parte do entulho do estádio Mané Garrincha – derrubado para dar lugar ao novo complexo esportivo – será reaproveitada.

Veja neste vídeo como vai ficar a ecoarena quando ela estiver totalmente pronta. Fique ligado especificamente no trecho que mostra a cobertura retrátil acima do campo.

Artigo escrito por Henry Galsky

compartilhe

Siemens nas redes sociais